Banco Branco de Ferro

Banco Branco de Ferro

Este filme centra-se numa apresentação de um guião que explora várias peles. A pele do autor, da identidade social e do artista. Neste desdobramento de personagens vemos cada uma delas a assumir o protagonismo durante diferentes actos do filme. O filme é dividido em quatro actos e em cada um deles é possível conhecer um pouco mais de cada uma das personagens. Como a sua identidade e as suas dúvidas interiores, as suas relações íntimas que se demonstram bastante complexas. O artista que se questiona na mesma linha de pensamento mas de uma forma mais crítica e com uma vontade de se perceber não só a si próprio, mas também a como é visto desde fora pela sociedade. E o autor, que é como um voyeur, limita-se à observação da narração acompanhando o desenrolar das dúvidas que também são as dele.
O filme é uma tentativa de compreensão do inconsciente de um criador, de um ser em constante dúvida em relação ao mundo, a si próprio e às suas criações.
Durante uma hora pode-se assistir a um desenrolar de questões das três personagens que não procuram uma resposta imediata, mas uma catarse na qual as diversas personagens se fundem umas nas outras. O artista, a identidade e o autor tornam-se num só e convidam o espectador a fazer parte dessa unidade.
Uma conversa que se inicia entre três personagens que se vai revelando num monólogo, ou não, é algo que fica em aberto. Começamos de fora e vamos mergulhando numa trama íntima que deixa de pertencer só à tela e torna-se pertença de todos.

João Monteiro – REINO

João Monteiro. 1996, Porto – Portugal. Cresceu e exerceu o seu gosto por cinema na cidade do Porto. Acompanhado pelas influências do Norte, o jovem realizador foi agarrado ao mundo das artes rapidamente. Estudou na Escola Artística de Soares dos Reis, onde aprendeu a dominar as àreas da Fotografia e especialmente a do Cinema. Com participação em festivais como o Fantasporto e experiências profissionais na Rádio e na Televisão Portuguesa, o jovem abriu os seus horizontes, que o levaram até Londres onde concluiu um “Foundation Course” especializado nas artes cinematográficas. Após terminar o seu curso, João Monteiro, com mais uns filmes e festivais de cinema na manga, voltou para a sua cidade nativa onde criou a sua própria produtora/distribuidora de cinema independente: “A Severa Filmes”. Assim, João, chega a esta iniciativa conjunta da ANDRÓMEDA com a Shortcutz Porto para fazer a estreia nacional da primeira semente deste projecto: o filme REINO.

shortcutz - Copydiatreze

SINOPSE: “Na época desses reis, o Deus dos céus, estabelecerá um novo reino que jamais será destruído. Esse novo reino destruirá e exterminará todos esses outros reinos, e subsistirá para todo o sempre.”

A ANDRÓMEDA + SHORTCUTZ PORTO apresentam: Cinema Experimental Latino-Americano

7 Julho

Evocações:

Contornar a produção Latino-Americana recente na sua vertente experimental desde a qualidade evocativa das imagens. As imagens como chamados e potências intempestivas ou de futuro que trazem à presença tempos outros. Evocações de povos e comunidades que se negam a ser dizimados. Evocações de tempos de viagem e trânsito pelos espaços da memória e do mundo. Evocações da iniludível materialidade do suporte fílmico. Cinemas menores e precários que se fazem fortes ao serem passagens, aberturas que lutam contra a clausura do mundo numa única imagem.

Curadoria de Sebastian Wiedemann + Florencia Incarbone

https://hambrecine.com/

Cartaz por Maria Mendes

72min

  1. Ymá Nhandehetama de Armando Queiroz
    HD || 2009 – 8min20
    Brasil.
  1. El trabajo de nuestros compañeros [O trabalho de nossos companheiros] de Los Ingrávidos
    35mm to HD || 2014 – 12min20
    México.
  1. Retratos en el tiempo [Retratos no tempo] de Leinad Pajaro De La Hoz
    Super8 to HD || 2012 – 20min
    Colômbia.
  1. Hornaditas de Julio Fermepin
    Super8 to HD || 2014 – 14min10
    Argentina.
  1. Dreznica de Anna Azevedo
    Super8/35mm to HD || 2008 – 15min40
    Brasil.
  1. ..::untitled (men run) de Gonzalo Egurza
    Super8 to HD || 2009 2min20
    Argentina.

A ANDRÓMEDA + SHORTCUTZ PORTO apresentam: Sebastian Wiedemann – Selected Works (2010-2016)

6 Julho

Sebastian Wiedemann. 1987 Medellín – Colômbia. Vive e trabalha em São Paulo – Brasil. Cineasta-investigador, trabalha na intersecção entre cinema experimental e filosofia, defendendo a possibilidade de um pensamento-cinema que vaza superfícies de expressão entre escrita, curadoria e realização. Os seus filmes já foram apresentados em galerias e mostras internacionais das Américas, Europa e Ásia. Participou do 8 Talent Campus Buenos Aires e a sua curta-metragem “Zugang” foi editada pela Experiments in Cinema – DVD Collection – EUA. Em 2015, o seu filme ‘Los (De)pendientes’ foi eleito um dos melhores filmes do ano pela revista Artforum. É membro fundador de hambre | espacio cine experimental, onde é editor-chefe e curador, e actualmente desenvolve no Brasil o projecto “Cosmopolíticas da imagem”, que inclui os filmes “Povos Ouvir” e “Vida e laboratório”, ambos em pré-produção.

http://swiedemann.tumblr.com/

Entrevista em espanhol: http://desistfilm.com/q-a-sebastian-wiedemann/

96min

Cartaz por Maria Mendes

1. Sturm im Fenster [Tormenta na janela]
HD + 35mm film || 2013 – 1 min.
Colômbia/Argentina. Experimental

2. Derrames [Derrames]
16mm/HD || 2011 – 19min.
Colômbia/Argentina. Experimental

3. Zugang [Passagem]
HD || 2010-2011 – 14min.
Colômbia/Argentina. Experimental

4. Ondas
35mm to HD || 2015 – 10min.
Colômbia/Brasil. Experimental

5.Try to move [Tentativa de movimento]
HD || 2012 – 5min.
Colômbia/Argentina. Experimental

6. Abismo [Abismo]
35mm to HD || 2012 – 4min.
Colômbia/Argentina. Experimental

7.être-chat [ser-gato]
HD || 2014 – 20min.
Colômbia/Brasil/França/Japão. Experimental

8.Los (De)pendientes [Os (De)pendentes]
HD || 2016 – 24min.
Colômbia/Argentina. Experimental

[Cápsula] – André Fonseca – A Memória Inconsciente das Formas Transfiguradas

[Cápsula] do projecto <<Elemento>>

Na produção de música há elementos que se somam e acrescentam densidade ao arranjo. São por exemplo o kick, o bass, o lead, o hi-hat, a voz, entre outros.
“Elemento” é uma pesquisa focada nas características de cada elemento e nas suas possibilidades de exploração. O espaço (reverb), o tempo (delay), etc. A possibilidade de se metamorfosearem a partir das suas condições mais elementares.
Esta (a)mostra, segunda no processo, chama-se [Cápsula] e pretende dentro da mesma lógica, levar ao limite a ideia de encapsulamento enquanto potencial encerrado / confinado em eminência de se expandir, desdobrar, extrapolar, explodir…
Esta performance assinala o fim do ciclo de programação “A Memória Inconsciente das Formas Transfiguradas”. Iniciado em Março de 2015, este ciclo apresentou um total de 11 performances/concertos. O 12º, a cargo de um dos seus programadores, André Fonseca, seguirá as premissas que caracterizam esta série: culminar num momento único e singular!
A MIdFT foi um espaço onde se privilegiou uma escuta atenta e focalizada das sonoridades electrónicas nas suas distintas vertentes. A componente visual, bem como a relação com o lugar e a audiência constituíram vectores estruturais para se pensarem as performances apresentadas ao longo das várias edições.

Cápsula