Banco Branco de Ferro

Banco Branco de Ferro

Este filme centra-se numa apresentação de um guião que explora várias peles. A pele do autor, da identidade social e do artista. Neste desdobramento de personagens vemos cada uma delas a assumir o protagonismo durante diferentes actos do filme. O filme é dividido em quatro actos e em cada um deles é possível conhecer um pouco mais de cada uma das personagens. Como a sua identidade e as suas dúvidas interiores, as suas relações íntimas que se demonstram bastante complexas. O artista que se questiona na mesma linha de pensamento mas de uma forma mais crítica e com uma vontade de se perceber não só a si próprio, mas também a como é visto desde fora pela sociedade. E o autor, que é como um voyeur, limita-se à observação da narração acompanhando o desenrolar das dúvidas que também são as dele.
O filme é uma tentativa de compreensão do inconsciente de um criador, de um ser em constante dúvida em relação ao mundo, a si próprio e às suas criações.
Durante uma hora pode-se assistir a um desenrolar de questões das três personagens que não procuram uma resposta imediata, mas uma catarse na qual as diversas personagens se fundem umas nas outras. O artista, a identidade e o autor tornam-se num só e convidam o espectador a fazer parte dessa unidade.
Uma conversa que se inicia entre três personagens que se vai revelando num monólogo, ou não, é algo que fica em aberto. Começamos de fora e vamos mergulhando numa trama íntima que deixa de pertencer só à tela e torna-se pertença de todos.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s